Paróquia

Liturgia Familiar: Proposta para o 30.º Domingo Comum

30.º Domingo Comum - Ano A

30.º Domingo Comum – Ano A: “Amarás o Senhor, teu Deus, com todo o teu coração… e ao próximo como a ti mesmo”


A nova vaga da Pandemia está aí e com uma “ferocidade” que nos preocupa e assusta, mas que ao mesmo tempo nos deve alertar e responsabilizar, porque todos nos devemos preocupar em proteger-nos e proteger, sem deixar de rezar, como pedia o Papa Francisco a 27 de março em plena praça de S. Pedo, completamente deserta, pedindo ao Senhor, como outrora os discípulos no meio da tempestade: “Salva-nos, Senhor, que perecemos”.

Há quem queira nesta hora, como em muitas outras, aproveitar-se para colocar a Igreja ao canto. É verdade que temos de nos proteger, mas a Igreja foi a primeira instituição a tomar medidas seguras e, com raríssimas exceções, tem dado nobríssimo exemplo de responsabilidade. Não deixemos que nos alienem ou, até mesmo, façam pouco de nós. Os nossos inimigos estão sempre à espreita para na primeira oportunidade nos perseguir e até “achincalhar”. Já Jesus dizia: “Os filhos das trevas são mais espertos que os filhos da luz”.
Peço a todos: protejamo-nos e protejamos e, REZEMOS.

LITURGUA FAMILIAR

SAUDAÇÃO

Guia: Jesus Cristo continua a surpreender-nos com as Suas respostas. Qual é o principal mandamento, de entre os 613 preceitos que os judeus multiplicaram a partir dos 10 mandamentos? Jesus Cristo recorda-nos o amor a Deus e ao próximo, como duas partes do mesmo coração, pondo diante de nós o rosto de Deus e a face do irmão. Ambos provêm do mesmo Amor com que Deus primeiro nos amou. Amar a Deus e amar o próximo não é mais do que responder ou corresponder a esse primeiro amor. Movidos pelo amor de Deus, iniciemos esta celebração familiar: Em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo.

Todos: Ámen.

PEDIMOS PERDÃO

Um dos membros da família: Pelo nosso coração fechado ao teu amor: Senhor, misericórdia. 
Todos: Senhor, misericórdia.
Um dos membros da família: Pela nossa alma vazia de amor: Cristo, misericórdia. 
Todos: Cristo, misericórdia.
Um dos membros da família: Pelo nosso espírito longe de ti: Senhor, misericórdia. 
Todos: Senhor, misericórdia.

ACOLHEMOS A PALAVRA

Leitura do Santo Evangelho segundo São Mateus – 22, 34-40

Naquele tempo, os fariseus, ouvindo dizer que Jesus tinha feito calar os saduceus,
reuniram-se em grupo, e um doutor da Lei perguntou a Jesus, para O experimentar:
“Mestre, qual é o maior mandamento da Lei?”.
Jesus respondeu:
“Amarás o Senhor teu Deus com todo o teu coração, com toda a tua alma e com todo o teu espírito’. Este é o maior e o primeiro mandamento. O segundo, porém, é semelhante a este: “Amarás o teu próximo como a ti mesmo”.
Nestes dois mandamentos se resumem toda a Lei e os Profetas”.

PARTILHAMOS A PALAVRA

Guia: Devemos desconfiar de um certo amor ao próximo, quando este amor nos isola em grupos fechados, em sociedades de interesses comuns, de tal modo que cavamos um muro de separação entre “nós” e “os outros”. Tal acontecerá em famílias, que se fecham dentro do seu casulo, sem abertura a uma teia mais ampla de relações. É então urgente desconfinar o amor ao próximo, alargar o meu círculo de atenção e de cuidado amoroso, até chegar àqueles que espontaneamente não sinto como parte do meu mundo de interesses, embora se encontrem perto de mim. Muitas vezes o nosso mais próximo fisicamente é o mais distante socialmente! Jesus desafia-nos não a perguntar mais quem é o meu próximo ou o meu vizinho, mas a tornarmo-nos vizinhos e próximos de todos, de cada irmã ou cada irmão que sofre, abandonado ou ignorado. Temos pela frente tempos difíceis, com a crise pandémica a sangrar. Diante do sofrimento e da pobreza, tornemo-nos próximos e vizinhos de quem quer que seja. Uma vez que somos todos irmãos, tornemo-nos então irmãos de todos.

PROFESSAMOS A NOSSA FÉ

Guia: Credes em Deus Pai, que nos ama e nos chama ao seu encontro? 
Todos: Sim, creio.
Guia: Credes em Jesus Cristo, nosso Mestre e Amigo?
Todos: Sim, creio.
Guia: Credes no Espírito Santo, que derrama em nós o amor?
Todos: Sim, creio.
Guia: Credes na Santa Igreja, Mãe de coração aberto?
Todos: Sim, creio.
Guia: Credes na ressurreição e na vida nova que há de vir?
Todos: Sim, creio.

APRESENTAMOS AS NOSSAS PRECES

Guia: Ao Senhor, nosso Deus, a quem amamos de todo o coração, confiamos as nossas preces, por amor dos nossos irmãos, dizendo: Ensina-nos a amar.

Um dos membros da família: Pela Igreja: seja uma Mãe de coração aberto, que acompanha a vida dos seus filhos, sustenta a sua esperança, lança pontes, abate muros e semeia a paz, nós Te pedimos:
Todos: Ensina-nos a amar.

Um dos membros da família: Pelos que governam as nações: promovam o acolhimento dos estrangeiros e refugiados e cuidem dos mais pobres, dos frágeis e dos descartados da sociedade, nós Te pedimos:
Todos: Ensina-nos a amar.

Um dos membros da família: Pelos que combatem a pandemia da COVID-19: sejam apoiados, reconhecidos e acompanhados, na sua luta pela vida das pessoas, nós Te pedimos:
Todos: Ensina-nos a amar.

Um dos membros da família: Pela nossa família: vivamos como irmãos de Todos, próximos de quem nos é mais distante, nós Te pedimos:
Todos: Ensina-nos a amar.

Um dos membros da família: [acrescenta a tua intenção], nós Te pedimos:
Todos: Ensina-nos a amar.

Guia: Rezemos como Jesus Cristo nos ensinou:
Todos: Pai nosso…

ASSUMIMOS UM COMPROMISSO

Guia: É urgente alargar o círculo de atenção e de cuidado amoroso. Jesus Cristo desafia-nos, não a perguntar quem é o meu próximo ou o meu vizinho, mas a tornarmo-nos vizinhos e próximos de todos, de cada irmã ou cada irmão que sofre, vive sozinho, está abandonado ou ignorado. O que é que vou fazer para ‘inscrever’ outros nomes no meu coração? Bendigamos o Senhor!

Todos: Graças a Deus! 

BÊNÇÃO DA FAMÍLIA E DA MESA

Guia: Senhor, fonte do Amor: como é belo ver e viver o Teu amor, na harmonia e na alegria da família, reunida para partilhar o pão e o coração. Todo o pão que nos dás é nosso e não apenas meu ou só para nós. Abre os nossos olhos e as nossas mãos, faz-nos próximos e vizinhos de cada pessoa, para nos tornarmos realmente irmãos de todos. Ámen. 

Dia dos Fiéis Defuntos acontece

HORÁRIOS DAS MISSAS PARA:

Solenidade de Todos os Santos

Dia 31 (Sábado)

15h00 – Missa da catequese, na igreja
16h30 – Missa, na igreja

Dia 01 (Domingo)

09h15 – Missa, na capela de Monte Espinho
10h30 – Missa, na igreja
12h00 – Missa, na igreja
19h00 – Missa, na igreja

Fiéis defuntos

Dia 02 (Segunda-feira)
09h00 – 1.ª Missa, na igreja
16h30 – 2.ª Missa, na igreja
Irmãs e irmãos falecidos de 1/11/2019 a 31/10/2020
19h00 – 3.ª Missa, na igreja


RELACIONADOS:

Partilhe:
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  • 1
  •  
  •  
  •  
    1
    Share
  •  
  •  
  •  
  • 1
  •  
  •  
  •  
  •  
sendinblue