Funeral de D. Manuel Martins realiza-se terça-feira em Matosinhos

D. Manuel Martins

Partilhe:

Translate


Missa em Setúbal e funeral em Matosinhos

As exéquias fúnebres de D. Manuel Martins celebram-se amanhã, terça-feira (26), pelas 15h00, no Mosteiro de Leça do Balio, em Matosinhos. O corpo estará em câmara ardente no Mosteiro, a partir desta segunda-feira, entre as 9h00 e as 24h00, e terça-feira, entre as 9h00 e as 12h00.

A missa de sétimo dia, realiza-se no próximo domingo, 01 de Outubro, na Sé de Setúbal, pelas 16h00, antiga igreja de Santa Maria da Graça.

O bispo emérito, que esteve à frente da diocese de Setúbal entre 1975 e 1998, morreu este domingo, aos 90 anos, na Maia, nos arredores do Porto, em casa de familiares, informou a diocese sadina.

Nascido em 20 de janeiro de 1927, em Leça do Balio, Matosinhos, Manuel da Silva Martins estudou no seminário do Porto e, mais tarde, na Universidade Gregoriana, em Roma.

Manuel Martins chegou a ser conhecido por “bispo vermelho”, durante a crise dos anos 1980, pelas denúncias que fez de situações de pobreza e de fome na região.

Mosteiro de Leça do Balio

D. Manuel Martins o “Bispo vermelho”

Manuel Martins ficou conhecido por “bispo vermelho”, na crise dos anos 80, pelas denúncias de pobreza e de fome no distrito de Setúbal.

Nascido em 20 de Janeiro de 1927, em Leça do Balio, Matosinhos, Manuel da Silva Martins estudou no seminário do Porto e, mais tarde, na Universidade Gregoriana, em Roma.
Foi pároco de Cedofeita, nos nove anos de exílio do bispo do Porto António Ferreira Gomes (1960-1969), durante o Estado Novo, e foi vigário geral após o regresso do prelado.
Em 1975, após o 25 de Abril de 1974, foi nomeado bispo da diocese de Setúbal, de onde só saiu 23 anos depois, em 1998.

“Nasci bispo em Setúbal, agora sou de Setúbal”, disse no dia da ordenação episcopal aquele que foi o primeiro bispo da diocese – criada a 16 de Julho de 1975, em pleno `Verão Quente´ do Processo Revolucionário Em Curso (PREC) – e que acabou por se tornar uma voz incómoda para o poder político da época.

Para Manuel Martins, desses primeiros anos da sua passagem por Setúbal ficou um sentimento de dever cumprido e a convicção de que deu o seu melhor na luta pelas causas dos mais desfavorecidos.
“Quando cheguei a Setúbal, levava uma recomendação muito importante do bispo do Porto, António Ferreira Gomes, que me disse para tentar não aparecer como colonizador, para procurar mergulhar em Setúbal, ser de Setúbal, ser Setúbal. E, felizmente, isso aconteceu-me”, recordou Manuel Martins, enquanto partilhou, com a Lusa, em 2016, algumas histórias desses tempos conturbados.

Nessa conversa com a Lusa, recordou um episódio de troca de palavras com o então primeiro-ministro, Mário Soares.
O Governo de Mário Soares dizia publicamente que em Setúbal não havia fome, que o bispo de Setúbal é que fazia fome. A comunicação social não me largava e um dia eu respondi dizendo que ‘se a fome era Nafarros e Belém, podíamos dar graças a Deus porque em Portugal não havia fome’”, lembrou.
Existia mesmo “fome em Setúbal”, assegurou o ‘Bispo Vermelho’, que é considerado um dos principais responsáveis pela acção que a igreja católica continua a ter na região de Setúbal, designadamente no apoio social aos mais pobres e excluídos.

Manuel Martins foi presidente da Comissão Episcopal da Acção Social e Caritativa e da Comissão Episcopal das Migrações e Turismo, e da secção portuguesa da Pax Christi.

Após a resignação, continuou a fazer conferências e palestras, sendo objecto de vários livros, como “História de uma Crise – Grito do bispo de Setúbal”, do jornalista Alcídio Torres, e o próprio também escreveu “Pregões de Esperança”, editado em 2014 e apresentado pelo ex-Presidente Ramalho Eanes.


Partilhe:

1 comentário

  • Deus lhe dê tanto ou mais do que fez na terra pelos mais necessitados.Peço muito para que hajam pessoas como estas com um coração enorme, preocupados com os mais desprotegidos e sempre atentos para minimizar as suas necessidades.
    Eterno descanso.

Comentar