Nacional

Programa pretende capacitar 50 mil empresas portuguesas para a era do comércio eletrónico

comércio eletrónico

A pandemia da covid-19 fez com que o comércio eletrónico crescesse expressivamente em todo o mundo. As compras pela internet apresentaram-se como a maneira mais segura de adquirir todos os tipos de produtos sem se expor aos perigos de sair de casa. Com isso, muitos compraram virtualmente pela primeira vez e, percebendo as facilidades, viraram adeptos da prática, o que aumentou muito o público das empresas que oferecem esta modalidade.

Boa parte dos países do mundo tiveram no e-commerce uma das principais saídas para a crise provocada pelo coronavírus. No Brasil, por exemplo, o crescimento foi expressivo – alguns levantamentos apontam faturamentos mais de 70% superiores em 2020 do que em 2019. Na Holanda também: o site ADVIESJAGERS indica que 27% mais compras online foram feitas no país no ano passado do que no anterior, embora alguns segmentos tenham apresentado subidas muito maiores.

Mesmo com a ascensão do e-commerce, Portugal é apenas o 40° país no ranking dos que mais compram pela internet, de acordo com um levantamento feito pela Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD), que mostrou que 38,3% dos portugueses fazem compras pela web. Um dos maiores desafios para o aumento desse número está na preparação das empresas para lidar com esta situação. O processo para que empreendedores possam vender pela internet não é nada fácil. A transição digital exige investimento de tempo e dinheiro, além de capacitação de profissionais para que possam lidar com as vendas digitais.

Para amenizar esses desafios, a Associação da Economia Digital (Acepi) criou o programa Comércio Digital, que oferece cursos, guias, tutoriais e dicas para tornar os negócios mais digitais, auxiliando a vida dos portugueses que querem vender pela internet, mas não sabem por onde começar. A ideia é que o Comércio Digital capacite 50 mil micro, pequenas e médias empresas. O programa foi criado em 2018, mas teve sua relevância aumentada por conta do contexto pandémico, quando passou a receber maiores investimentos.

Além dos conteúdos formativos oferecidos através da Academia Digital, a iniciativa também promove seminários e workshops virtuais, disponibiliza facilidades para a obtenção de domínios na internet, fornece um selo de confiança para as lojas com o intuito de aumentar a credibilidade perante os clientes desconfiados e reúne lojas locais para incentivar os portugueses a consumirem dos negócios nacionais.

Recentemente, o programa Comércio Digital foi selecionado pela Agência para Competitividade (IAPMEI) e Inovação para representar Portugal no EEPA (European Enterprise Promotion Awards, que significa Prémios Europeus de Promoção Empresarial). Entre os apoiantes da iniciativa, também estão o Ministério da Economia e Transição Digital e a Confederação de Comércio e Serviços de Portugal (CCP).


Partilhe:
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •